sábado, março 2, 2024
HomeDestaquesOperação da PF mira brasileiros ligados ao Hezbollah que preparavam ataques no...

Operação da PF mira brasileiros ligados ao Hezbollah que preparavam ataques no Brasil

 A Polícia Federal (PF), deflagrou nesta quarta-feira (8/11) a Operação Trapiche prendeu em São Paulo duas pessoas que teriam ligações com o grupo libanês Hezbollah. Os nomes dos detidos não foram informados.

O Hezbollah — “partido de Deus” — é um partido político islâmico xiita que tem um braço paramilitar apoiado pelo Irã e exerce grande poder no Líbano. Assim como o palestino Hamas, o grupo do Líbano prega a destruição do Estado de Israel.

a operação Trapiche, tem o “objetivo de interromper atos preparatórios de terrorismo e obter provas de possível recrutamento de brasileiros para atos extremistas no país”.

Em nota atribuída ao Mossad, serviço secreto israelense, e enviada à imprensa pelo gabinete do primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, confirmam participação na investigação.

De acordo com a nota, a ação “frustrou um ataque terrorista no Brasil, planejado pela organização terrorista Hezbollah, dirigida e financiada pelo regime iraniano”.

No texto, o Mossad “agradece” a Polícia Federal e, cita que outros agentes de segurança internacional também se envolveram na investigação que levaram às prisões.

A BBC News Brasil apurou que agentes americanos do Federal Bureau of Investigation (FBI), também tomaram parte na investigação. A nota do Mossad diz ainda que no Brasil, a “célula terrorista” teria como alvos instituições judaicas e israelenses.

Ainda de acordo com fontes policiais, a investigação apontou que os suspeitos são financiados pelo Hezbollah e planejavam fazer ataques a comunidade judaica no Brasil. Um deles foi preso no aeroporto de Guarulhos, quando chegava do Líbano.

Os supostos terroristas já teriam selecionado seus alvos, incluindo sinagogas e prédios ligados à comunidade judaica no Brasil. Um deles seria a Embaixada de Israel, em Brasília.

A Confederação Israelita do Brasil (Conib) emitiu nota manifestando “enorme preocupação com a prisão de terroristas no Brasil ligados ao grupo terrorista libanês Hezbollah, que, segundo a Polícia Federal, planejavam atentados contra alvos judaicos no Brasil”.

Na mesma nota, a Conib felicita a Polícia Federal, o Ministério Público e o Ministério da Justiça, e acrescenta que “os trágicos conflitos do Oriente Médio não podem ser importados ao nosso país, onde diferentes comunidades convivem de forma pacífica, harmoniosa e sem medo do terrorismo”.

Além dos dois suspeitos presos no Brasil, a Justiça Federal expediu mandados de prisão para outros dois suspeitos que estão no Líbano.

Os dois são brasileiros descendentes de libaneses. Seus nomes, segundo investigadores, estão na lista de procurados da Interpol.

Ainda de acordo com pessoas familiarizadas com a investigação, um dos alvos presos já respondia por crimes de lavagem de dinheiro e contrabando.

Além das duas prisões, foram cumpridos 11 mandados de busca e apreensão expedidos pela Subseção Judiciária de Belo Horizonte, nos Estados de Minas Gerais, São Paulo e Distrito Federal.

Os detidos em São Paulo devem responder pelos crimes de constituir ou integrar uma organização terrorista e de realizar atos preparatórios de terrorismo. De acordo com a PF, se somadas, as penas máximas desses crimes chegam a 15 anos e 6 meses de prisão.

Os crimes previstos na Lei de Terrorismo são inafiançáveis, e a pena deve ser cumprida inicialmente em regime fechado.

As origens do Hezbollah são difíceis de rastrear, mas seus precursores surgiram depois que Israel invadiu parte do sul do Líbano em 1982, em resposta a uma série de ataques dos militantes palestinos contra Israel.

Ariel Sharon, que era então Ministro da Defesa de Israel, visou expurgar a Organização para a Libertação da Palestina (OLP) do sul do Líbano e impedir as incursões do grupo através da sua fronteira.

Alguns líderes xiitas no Líbano queriam uma resposta militante à invasão e romperam com o Movimento Amal, um grupo político que se tornou uma das mais importantes milícias muçulmanas xiitas durante a Guerra Civil Libanesa (1975-1990).

O Hezbollah anunciou oficialmente a sua criação em 1985, publicando uma “carta aberta” que identificava os Estados Unidos e a antiga União Soviética (URSS) como os principais inimigos do Islã.

No polêmico manifesto, o Hezbollah também levantou a destruição de Israel como um objetivo fundamental.

“É o inimigo odiado que temos de combater até que os odiados consigam o que merecem”, diz o texto.

“Este inimigo é o maior perigo para as nossas gerações futuras e para o destino das nossas terras, especialmente porque glorifica as ideias de colonização e expansão, iniciadas na Palestina.”

Desde 1992, o Hezbollah é liderado por Hassan Nasrallah e tornou-se a força militar mais poderosa da nação árabe.

No mesmo ano, o grupo participou pela primeira vez nas eleições nacionais, obtendo mais assentos do que qualquer partido.

O grupo ganhou gradualmente influência no sistema político do Líbano e tem poder de veto no Executivo do país.

O Hezbollah é considerado por alguns libaneses como uma ameaça à estabilidade do país, mas continua popular entre a comunidade xiita libanesa que representa.

Apesar de o Hezbollah defender uma corrente do Islã diferente da do Hamas, sendo o primeiro xiita e o segundo, sunita, os dois grupos convergem quanto ao desejo de destruir Israel.

O Hezbollah possui um vasto arsenal de armas que inclui mísseis guiados com precisão que podem afetar intensamente o território israelense e dezenas de milhares de combatentes bem treinados e experientes em batalha.

Desde o ataque do Hamas a Israel, o Hezbollah intensificou seus ataques a Israel, que está retaliando essas ações.

Mas ambos os lados aparentemente tomaram medidas para evitar uma escalada perigosa e a maioria dos ataques se limitou à zona fronteiriça.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, prometeu uma resposta de magnitude “inimaginável” se o Hezbollah abrir uma segunda frente no conflito.

*Fonte: BBC Brasil

Quem leu, leu também...
Propaganda

Populares